1º Festival de Risoto em São Paulo

De 15 a 30 de março, a Casa Flora Importadora, em parceria com expressivos parceiros, realiza sua 1ª edição do Festival de Risoto com a marca Paganini. Evento que reúne 15 restaurantes, onde o destaque é o risoto e a criatividade é do Chef de cozinha. Cada casa participante apresentará sua receita e seus clientes, além de poderem desfrutar dos deliciosos pratos, os 100 primeiros ganharão um especial mimo – uma sacola Paganini com 01 arroz arbóreo de 500 gramas.

Estamos pensando em ir no Tartuferia Giaponese, ou no Timo Cucina, depois contamos qual risoto escolhemos e com qual vinho harmonizamos!

O risoto

Criado no século XVI em Milão, passou a ser reverenciado no atual milênio. Pode-se criar risotos de quase tudo, em Piemonte (Turim e Milão), faz-se o risoto com os mais distintos ingredientes, desde trufas brancas à tinta de lula, dos requintados vinhos aos legumes da horta, do parmeggiano às frutas. Um prato versátil, delicadamente macio e cremoso, mas não pastoso é reconhecido pela culinária mundial como pelo cuidado que deve ser dispendido em seu preparo.

Feito com os arrozes arbóreo, carnaroli e vialone nano, “após dourar o arroz na gordura, acrescenta-se o caldo, e vai mexendo sempre com uma espátula, à medida que o líquido vai sendo absorvido. Durante o cozimento, que dura entre 14-17 minutos em média, o risoto não pode ser deixado por nenhum minuto. A técnica no preparo é a mesma, a distinção está na criatividade na escolha dos ingredientes que compõe o caldo e os que se reúnem ao prato na finalização.

Curiosidades

O Arroz é um cereal milenar, há pelo menos oito milênios constitui a base alimentar dos povos orientais, tendo se espalhado depois para outras terras. Os japoneses acreditam que o arroz é a quintessência da alma japonesa; contém as almas dos deuses. O Arroz chegou à Espanha, a Portugal, à Itália e à França por intermédio dos mouros, que conhecidos como excelentes comerciantes, dotados de faro para bons lucros, corriam o mundo em busca de mercadorias. Descobriram o arroz na Índia e deram-lhe o nome de al-ruz, contando que tinha nascido de uma gota de Maomé caída no paraíso. Na idade média era considerado uma especiaria, utilizado para sobremesas e fins medicinais. No século XVI, era definido com “vegetal da Renascença”. No início do milênio a Itália foi líder na produção europeia de arroz – o que significou muito diante da produção asiática. E os risotos do Piemonte foram os propulsores dessa posição.

Participam do Festival

Café Journal – Alameda dos Anapurus, 1121 – Indianópolis, São Paulo – SP
Di Cunto – Mooca Plaza Shopping
Filé restaurante – Av. Lins de Vasconcelos, 1515 – Vila Deodoro, São Paulo – SP
Fração Pizza – R. dos Pinheiros, 464 – Pinheiros, São Paulo – SP
Josephine – R. Jaques Félix, 253 – Vila Nova Conceição, São Paulo – SP
Kofi e Co – Rua Alexandre Dumas, 1518 – Santo Amaro, São Paulo – SP
La Gloria Pizza Bar – Av. Macuco, 685 – Moema, São Paulo – SP
Lar Bianco – Rua Ribeiro do Vale, 339 – Brooklin Paulista, São Paulo – SP
Mercearia ZN – R. Casa Forte, 438 – Jardim Franca, São Paulo – SP
Novotel Berrini – R. Henri Dunant, 792 – Santo Amaro, São Paulo – SP
Tartuferia Giaponese – Alameda Lorena, 1892 – Jardim Paulista, São Paulo – SP
Tartuferia Lorena – Alameda Lorena, 1906 – Jardim Paulista, São Paulo – SP
Tartuferia Morumbi – Morumbi Shopping loja 48- A
Tartuferia Oscar Freire – Rua Oscar Freire, 155 – Jardim Paulista, São Paulo – SP
Timo Cucina – Jardim Pamplona Shopping/Rooftop – R. Pamplona,1704 – Jd Paulista – SP
Portofino – Av. Industrial, 600 – Jardim, Santo André – SP
Cantina Fellini – Avenida Coronel Silva Teles, 514 – Cambuí, Campinas – SP

O CASAL

Ela gosta de vinhos mais leves. Ele gosta de beber até a garrafa acabar. Mas não foi sempre assim. O amor pelos vinhos cresceu na mesma velocidade que o amor que sentem um pelo outro. Ele era o garoto das cervejas artesanais e ela a garota das caipirinhas. O vinho só estava presente nos dias mais frios de inverno. Mas aí as coisas foram mudando. No meio do caminho, provaram novas uvas, experimentaram outras variedades, e aprenderam - um pouquinho - sobre como combinar a bebida com seus pratos favoritos. O casinho virou namoro, o namoro virou noivado, e o noivado virou casamento. O primeiro presente: uma adega e um quadro para rolhas: a paixão que desenvolveram pelo vinho estava estampada para todos os familiares e amigos. Agora, juntos, decidiram criar um novo projeto: Amor, Vinho, Amor. Sejam bem-vindos!

O PROJETO

O Amor Vinho Amor é um projeto de um casal apaixonado por vinhos e nasceu com um propósito: ser um espaço para falar sobre essa paixão de forma descomplicada e leve. Não somos especialistas e não temos pretensão de ser, mas amamos poder compartilhar as impressões que temos sobre essa bebida que tem tantas nuances especiais, sobre onde encontrá-las e algumas dicas de como harmonizá-las, mesmo acreditando que as melhores harmonizações são aquelas que fazem sentido e agradam cada um. O vinho para nós representa os momentos felizes, de amor, de troca. No Amor Vinho Amor trazemos as nossas experiências com o vinho, seja no nosso cantinho ou em qualquer cantinho desse mundo de possibilidades. 

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Amor, Vinho, Amor