Harmonizando diferentes sais e vinhos! Nossa experiência etílico-gastronômica em um encontro da sul-africana Distell em parceria com a Wine

Na última quarta-feira participamos de um evento delícia para conhecer os vinhos Fleur du Cap, da Distell, a maior produtora de vinhos e destilados da África do Sul, em parceria com a Wine, aquele maravilhoso e-commerce de vinhos que dispensa apresentações, né? Ficamos lisonjeados com o convite e com a oportunidade de participar da experiência etílico-gastronômica que promoveram. Foi fantástico! Conhecemos alguns vinhos da África do Sul no início desse ano e amamos, e esses novos Fleur du Cap são ainda melhores. É super bacana poder conhecer vinhos de várias partes do mundo, saindo das tradicionais rotas chilenas, italianas, francesas etc, pois os vinhos da África do Sul são excelentes, e não deixam nada a desejar. A nossa proposta aqui no Amor, Vinho, Amor é falar sobre vinho para todos, e você não precisa ser um sommelier expert para apreciar essa bebida maravilhosa, certo?

 

O evento foi realizado na Casa Comitê, um espaço mega charmoso localizado no Brooklin, em São Paulo. Ficamos encantados com o local. Uma casinha redecorada para receber eventos especiais – um projeto da jornalista Renata Reif e do chef Raphael Arrigucci, que depois de passar pelas melhores cozinhas da capital, como Cantaloup, Spot, Arturito, DOM, Casa Europa, Loi e Ristorantino, decidiu direcionar seus talentos para desenvolver pratos com a própria assinatura – olha… funcionou, viu? Que comida maravilhosa! Já estamos pensando em quando voltaremos lá! Rs.

No encontro fomos apresentados aos vinhos Fleur du Cap, que são concebidos pensados em manter sua relação com a natureza, ou seja, natureza traduzida em sabor! Top! Os primeiros vinhos foram lançados em 1968, logo após a abertura de Die Bergkelder, uma famosa adega de vinhos que fica dentro da montanha Papegaai, em Stellenbosch, na África do Sul. É a primeira vinícola a possuir uma adega subterrânea no hemisfério Sul, o que faz com que todos os ingredientes dos vinhos possam ser mantidos em seu estado mais natural. O mais bacana é que o processo do vinho protege a biodiversidade local, em adesão ao Programa Integrado de Vinho (PIV), um sistema introduzido em 1998, que foca todas as fases do processo com estudos de impacto ambiental e a correta preparação do solo.

A proposta foi combinar sais e vinhos – elementos completamente diferentes, não é? Se dissermos que foi super interessante, você acredita? Assim como as uvas, os sais possuem diversos aromas e sabores. A brincadeira foi conduzida pelo sommelier divertidíssimo e bicampeão brasileiro Diego Arrebola que, com os pratos do simpaticíssimo Raphael Arrigucci, nos mostrou algumas hamornizações com quatro diferentes sais do mundo: Gris, Rosa do Himalaia, Sal Negro e Sal Persa. E lá fomos nós… preparados?

De entrada tivemos Fregola sarda com camarão e vieira grelhados, espuma de limão e caviar. A brincadeira incluiu o sal Gris, em harmonia com um Fleur du Cap Sauvignon Blanc. Fomos estimulados a colocar uma pitada de sal a mais no prato e degustar com o vinho – ou mesmo diretamente na boca. A experiência estimulou os sentidos, ampliando os sabores envolvidos. O Sauvignon Blanc é muito aromático, com toques frescos de folhas de figueira, limão e aspargos, e notas minerais. Achamos bem encorpado, com essa mistura de sabores cítricos.

O primeiro prato foi Pancetta na baixa temperatura com galette de milho verde e jus de leitão. Você pode imaginar o que significa isso? Esquece tudo o que você já conhece sobre Pancetta e multiplica o sabor. É uma delícia! Essa etapa envolveu o Sal Rosa do Himalaia (que juraram se de lá mesmo, rs). A harmonização foi com Fleur du Cap Chenin Blanc. Ele já tem um aroma de frutas tropicais, com notas de lima e um toque de baunilha e tostado. Os aromas seguem uma paleta com sugestões cítricas com traço de caramelo do tempo passado na madeira.

O segundo prato foi Bauletti de rabada sob espelho de musseline de batata, brunoise e brotos. Sensacional! O sal era do tipo Negro e o vinho Fleur du Cap Pinotage, que é a uva mais típica da África do Sul. Ela surgiu em 1925, do cruzamento da Pinot Noir e da Cinsault. A Cinsault é conhecida por “hermitage” e daí a palavra “pinotage”, combinação de PINOt + hermiTAGE. O Pinotage Fleur du Cap tem uma cor vibrante vermelho escuro com notas de frutas vermelhas, como morango e cereja, e cheiro de tempero de carvalho doce, noz moscada e canela. Tem corpo médio e suaves taninos.

Por último, o grand finale foi a sobremesa esfera de chocolate branco com mousse de goiaba, coullis, crumble e queijo manchego levemente curado. A combinação foi com sal Persa e vinho Fleur du Cap Rosé. O que falar do Rosé!? AAAAh! Rosé é puro amor! Rs. Esse é leve e tem uma cor matriz salmão claro. Tem notas de frutas cítricas, abacaxi e pêssego. É refrescante e surpreendente ao mesmo tempo.

Qual gostamos mais? Impossível dizer. Gosto é gosto, não é? Mas o importante é que amamos a experiência, a proposta dos sais e as harmonizações com os vinhos. Uma grata descoberta que com certeza vamos comprar para deixar na nossa adega. Os rótulos têm preços acessíveis a partir de R$54 e podem ser encontrados na Wine.

 

O CASAL

Ela gosta de vinhos mais leves. Ele gosta de beber até a garrafa acabar. Mas não foi sempre assim. O amor pelos vinhos cresceu na mesma velocidade que o amor que sentem um pelo outro. Ele era o garoto das cervejas artesanais e ela a garota das caipirinhas. O vinho só estava presente nos dias mais frios de inverno. Mas aí as coisas foram mudando. No meio do caminho, provaram novas uvas, experimentaram outras variedades, e aprenderam - um pouquinho - sobre como combinar a bebida com seus pratos favoritos. O casinho virou namoro, o namoro virou noivado, e o noivado virou casamento. O primeiro presente: uma adega e um quadro para rolhas: a paixão que desenvolveram pelo vinho estava estampada para todos os familiares e amigos. Agora, juntos, decidiram criar um novo projeto: Amor, Vinho, Amor. Sejam bem-vindos!

O PROJETO

O Amor Vinho Amor é um projeto de um casal apaixonado por vinhos e nasceu com um propósito: ser um espaço para falar sobre essa paixão de forma descomplicada e leve. Não somos especialistas e não temos pretensão de ser, mas amamos poder compartilhar as impressões que temos sobre essa bebida que tem tantas nuances especiais, sobre onde encontrá-las e algumas dicas de como harmonizá-las, mesmo acreditando que as melhores harmonizações são aquelas que fazem sentido e agradam cada um. O vinho para nós representa os momentos felizes, de amor, de troca. No Amor Vinho Amor trazemos as nossas experiências com o vinho, seja no nosso cantinho ou em qualquer cantinho desse mundo de possibilidades. 

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Amor, Vinho, Amor