Expovinis 2017 – Nós fomos!

Antes de visitar a feira, vi em alguns perfis do Instagram algumas críticas sobre o evento: a falta de novidades, o tamanho da feira e outros pontos que não vem ao caso agora. Apesar de amar vinho, ainda não conheço muito sobre o setor profissionalmente falando, então essa era uma boa oportunidade para começar essa jornada de conhecimento sobre esse mundo tão amplo e complexo.

Chegando à feira, fiz meu cadastro de imprensa, recebi minha taça e assim começou a jornada! Antes de começar as degustações, dei umas duas ou três voltas para me situar. Realmente a feira tinha um tamanho reduzido, porém, em alguns estandes, estavam vários distribuidores de diversas regiões do mundo. O que era bem bacana.

Logo de cara senti falta de algumas marcas mais conhecidas no mercado, principalmente os grandes produtores do Chile e também os de Bento Gonçalves – com os quais tive meus primeiros contatos com o vinho. Como já são marcas consolidadas no mercado e detém um grande investimento de marketing, acredito que esse tipo de evento hoje já não seja tão interessante, uma vez que evento é voltado para profissionais da área. Os argentinos então, onde estão? Posso ter tomado umas duas ou três taças a mais e isso pode ter dificultado encontrá-los no evento, mas realmente não achei nenhuma marca argentina. Outro ponto importante eram as importadoras e lojas especializadas, que ocupavam os maiores estandes da feira, com uma estrutura muito superior a dos produtores, para mim isso é uma triste realidade.

Quem teve interesse e oportunidade, pode participar de algumas atrações extras da feira, como palestras e degustações técnicas com renomados consultores e especialistas. Como fiquei sabendo do evento em cima da hora, não consegui me programar para nenhuma delas rs. A Feira contou também com o TopTen, uma premiação reconhecida do mercado.

Voltando ao que interessa, vamos falar dos vinhos degustados. Eu tentei tirar foto de todos os que eu mais gostei, mas alguns acabaram escapando. Depois de certo horário, a feira ficou realmente cheia e em alguns estandes a concorrência estava grande. Eu particularmente gostei muito dos vinhos portugueses, apesar de terem uma fama de serem mais doces, notei mesmo foi o equilíbrio e a suavidade em todos.

Não vou falar muito sobre os vinhos em si, vou apenas colocar os 10 que eu mais gostei. Seria uma tarefa muito difícil lembrar-me de cada um deles e de cada detalhe, mas posso garantir que é um mais saboroso do que o outro. Vai de você que está lendo provar todos eles rs =)

Quinta da Bacalhôa 2013 – Cabernet Sauvignon – Península de Setúbal – Portugal

Apaltagua – gran Verano 2016 – Cabernet Sauvignon – Valle Central – Chile

Lucano – Merlot – São Paulo – Brasil

Estandarte Reserva 2015 – Doña Javiera – Carménère -Maipo Valley – Chile

Meia Pipa Private Selection 2013 – Blend: Castelão, Syrah, Cabernet Sauvignon – Península de Setúbal – Portugal

Vinho XV de Novembro – Blend: Merlot, Tannat, Cabernet – Serra Gaucha – Brasil

Aresti Pasion Familiar – Estate Selection 2016 – Cabernet Sauvignon – Curicó Valley – Chile

Las Mercedes – Singular 2014 – Cabernet Sauvignon – Valle del Maule – Chile

Chaku 2015 – Cabernet Sauvignon – Central Valley – Chile

Pérez Cruz – Limited Edition 2014 – Syrah – Valle del Maipo – Chile

Resumindo, eu particularmente gostei do evento. Apesar do tamanho, eu tive a oportunidade de conhecer grandes marcas até então desconhecidas. O estilo de feira que temos hoje é um modelo realmente atrasado. A experiência que o visitante tem com o produto ou com a marca ainda pode ser melhorada. Isso, entretanto, não é uma exclusividade da Expovinis, mas uma triste realidade do mercado em geral, um pouco pela economia do Brasil, e muito mais pela falta de criatividade de quem organiza a feira e de quem expõem em gerar essa experiência para quem visita.

Se você gosta de vinho e quer conhecer mais sobre esse universo, eu recomendo que você vá ao próximo evento. Um pouco de conhecimento é melhor do que nenhum. Nós estaremos lá!

O CASAL

Ela gosta de vinhos mais leves. Ele gosta de beber até a garrafa acabar. Mas não foi sempre assim. O amor pelos vinhos cresceu na mesma velocidade que o amor que sentem um pelo outro. Ele era o garoto das cervejas artesanais e ela a garota das caipirinhas. O vinho só estava presente nos dias mais frios de inverno. Mas aí as coisas foram mudando. No meio do caminho, provaram novas uvas, experimentaram outras variedades, e aprenderam - um pouquinho - sobre como combinar a bebida com seus pratos favoritos. O casinho virou namoro, o namoro virou noivado, e o noivado virou casamento. O primeiro presente: uma adega e um quadro para rolhas: a paixão que desenvolveram pelo vinho estava estampada para todos os familiares e amigos. Agora, juntos, decidiram criar um novo projeto: Amor, Vinho, Amor. Sejam bem-vindos!

O PROJETO

O Amor Vinho Amor é um projeto de um casal apaixonado por vinhos e nasceu com um propósito: ser um espaço para falar sobre essa paixão de forma descomplicada e leve. Não somos especialistas e não temos pretensão de ser, mas amamos poder compartilhar as impressões que temos sobre essa bebida que tem tantas nuances especiais, sobre onde encontrá-las e algumas dicas de como harmonizá-las, mesmo acreditando que as melhores harmonizações são aquelas que fazem sentido e agradam cada um. O vinho para nós representa os momentos felizes, de amor, de troca. No Amor Vinho Amor trazemos as nossas experiências com o vinho, seja no nosso cantinho ou em qualquer cantinho desse mundo de possibilidades. 

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Amor, Vinho, Amor